Quem são os trabalhadores que os sindicatos defendem?

The 4th Leadership Forum And The Goodbye
July 3, 2018
New Delhi Speakers Session
July 16, 2018

Quem são os trabalhadores que os sindicatos defendem?

Ivanildo Santos Terceiro | 12 de julho de 2018

Enquanto os trabalhadores do setor privado estão abrindo mão até mesmo da reposição inflacionária em seus salários, para se adequar à crise e evitar demissão, diversas categorias do serviço público federal receberam mais um aumento. Iniciado em 2016, ele só terminará em 2019!

No apagar das luzes do primeiro ano da sua gestão, o governo Temer reajustou o salário de oito categorias de servidores federais, incluindo auditores fiscais da Receita Federal, defensores públicos da União, e os comandantes das Forças Armadas.

Os auditores fiscais ingressarão na carreira com um salário de R$ 19.211 no próximo ano. Ao final da sua carreira, em 2019, a categoria poderá receber incríveis R$ 27.303.

Leia também

A despeito do salário, a remuneração dos auditores também incluirá um bônus de eficiência pago anualmente de até R$ 3 mil. Os Defensores Públicos da União, por sua vez, terão como salário inicial a incrível quantia de R$ 22.197. No topo da carreira, o vencimento poderá alcançar R$ 30.546.

Achou ruim? Calma que piora. Ontem (12), o Congresso aprovou a Lei de Diretrizes Orçamentárias. Em sua versão original, ela proibia que fossem dados novos aumentos aos funcionários públicos. Afinal, o país está simplesmente sem dinheiro. Sem nenhuma surpresa, partidos que dizem defender os trabalhadores lutaram para derrubar essa parte da legislação e possivelmente impor mais este encargo ao trabalhador comum.

Em tempos como o que enfrentamos manter a estabilidade e um polpudo salário já seria encarado como privilégio. Infelizmente, os grandes sindicatos do país comumente viram às costas para a massa trabalhadora do Brasil na hora de defender o seu “privilégio adquirido”.

Cada centavo destinado ao aumento salarial dos funcionários públicos, é um centavo a menos no bolso do trabalhador. O impacto da bondade de Michel Temer com o dinheiro dos outros custará assombrosos 11 bilhões de reais em três anos. De fato, nada poderia definir melhor como funciona o governo: uma instituição que tira dinheiro de desempregados para dar àqueles que estão entre os mais ricos do país.

O efeito desta política é incrivelmente perverso: i) aumenta a desigualdade ao retirar dinheiro de quem é pobre e entregá-lo para quem é rico, ii) aumenta o peso dos funcionários públicos na sociedade, tornando ainda mais difícil para o setor privado sustentá-lo, gerar empregos, e inovar, e, por fim, iii) faz com que bons cérebros, que poderiam estar a serviço da população atendendo suas demandas no mercado, simplesmente sirvam a burocracia.



Ivanildo Santos Terceiro é Coordenador de Comunicações do Students For Liberty Brasil (SFLB).

Este artigo não necessariamente representa a opinião do SFLB. O SFLB tem o compromisso de ampliar as discussões sobre a liberdade, representando uma miríade de opiniões. Se você é um estudante interessado em apresentar sua perspectiva neste blog, envie um email para [email protected] e [email protected]

Volte para o blog

X